sentir chapecó

Textos: Valéria Marcondes e Angélica Lüersen
Fotos: Angélica Lüersen

SABORES DE CHAPECÓ

Do jantar ao vinho, as texturas, o perfume, o sabor inconfundível das lembranças construídas no dia-a-dia.

O fim do dia em Chapecó nos aconchega nas mais gostosas experiências. Sentimos a cidade pela gastronomia no Vino & Tigelle, harmonizando massa artesanal al dente e um intenso vinho Puglia. Suas notas de chocolate equilibram a picância e acidez da pasta à Matriciana. A frescura dos ingredientes foi revelada quando vimos Vanessa colhendo manjericão direto dos vasos.

Alt Tag

Mariana elaborou nosso prato. “O afeto e o respeito são os principais ingredientes”. É possível sentir no paladar o seu amor pela gastronomia. “Minha mãe aprendeu com a bisavó. Eu segui seus passos. Me sinto realizada quando consigo tocar as pessoas dessa forma.”

Nosso jantar envolveu prazeres compartilhados. Durante uma sequência de vinhos no entardecer ameno do outono, conheci Francisco. Bom de conversa, familiarizado com a casa, Francisco extrapolava a energia dos seus seis anos desafiando os limites entre calçada e rua, sob olhar atento dos tios.

Uma refeição facilmente se transforma numa vivência social. Os momentos de troca são importantes para percebermos o ritmo da vida.

Vino & Tigelle recebe muitas pessoas de fora. Americanos, franceses e brasileiros de outros estados vão até lá por indicação ou pelo Tripadvisor, comenta o gerente Douglas Oliveira, indicando que a localização da casa contribui bastante.

placeholder

placeholder

Alt Tag

Pra quem busca um espaço mais reservado, de culinária ousada e requintada, o Empório Tesser é a opção. Nas paredes do ambiente, vemos adornos, quadros, bandeiras, peças vindas da Itália, França, Espanha. São recordações das viagens culturais do chef Isaac, que investe muito nas experiências sensoriais: “Um chef precisa de muitas referências.”

Cardamomo me lembra a Índia. Se eu fechar os olhos por um instante encontro o sabor do tempero dos pratos indianos. Não são memórias apenas. Os temperos que aparecem em cada prato nos levam a lugares distintos.

Isaac nos conta do seu próximo tour enogastronômico, dos encontros com novos ingredientes, dos desejos por imersões no Marrocos, Tailândia, Índia. Não abre mão de matéria-prima de qualidade. As flores colhidas pelo produtor local e entregues à porta do Empório decoram o prato com o pecorino romano e com os aspargos trazidos do Perú.

Das viagens, traz contatos, insumos diferenciados, mas principalmente ideias para novas experiências. Texturas, sabores, perfumes compõem a cozinha do chef Isaac. Os aromas instigam os sentidos, florescem memórias. A Europa fica mais perto quando estamos no Empório.